Testemunho 3 - Esta, uma voz


É muito difícil eu perder a voz. Duas vezes que eu me lembre. Uma por um trabalho – muda de estresse e ansiedade. Na outra vez, por dias. Uma tosse seca que tornava impossível uma simples frase. Inteira e incólume. Ah, mas isso é tristeza. O veredito da homeopata. Tosse de uma ferida. Do amor de anos. Fraturando. No apartamento na cobertura do prédio de esquina. Longos abraços noturnos. Entre o fícus e o pé de laranjinha. Flores que nunca prosperaram como deveriam. Tanto calor e sol. O manjericão perfumado das sementes trazidas da Itália na mala da mãe dele. Ao relento, aconchego de cartografias há muito mapeadas. Aos sentidos só cabendo o reconhecimento. A cada vez. Muitas. O desejo permeando dia, rotina. Até o afeto fraturar. De vez. Quando a tosse se foi. E ficou a ferida. Depois. No lugar dela, uma angústia. O veredito de outro. Muito depois. Um homem tão suave. Você precisa sentir isso de novo. O afeto.

Agora, tenho tosse. E essa angústia. Logo serei chamada a me pronunciar.

E se emudecer.

Uma decisão. Em breve. Um veredito. Gesto em direção a alguém. Para longe de outro. Na mudez do outro. Na falta de perfume de manjericão. De hieróglifos no mapa do corpo.

Não emudeço. Rouca.

O homem suave se aquece dessa rouquidão. Uma sensualidade. De corpos, de um porvir. Ri. Sorrio. Ele então pleiteia uma antecipação. Da sentença. Minha. Neste acordo, paz e aconchego. Não aquele de antes. Impossível. Outra espécie. Este de agora é remédio para a angústia. Homeopático. Plantar de outras sementes. Do lado de dentro. De um afeto que enraíze. Que talvez cresça, prospere, perfume.

Por enquanto. A sessão suspensa. 

A única testemunha quase sem voz. Rouca, inaudível. Ouço outros testemunhos. Um debate. Do lado de dentro. Sim, diga simMas e se... Covarde. Por que não? Não. Fantasia. E se... O outro. Não...  Ssssschhh. Melhor rouca. Um pouco mais. Um por enquanto mais largo. À espera de uma prova. Uma evidência. Que Promotoria e Defensoria cheguem a um consenso. Uma sentença. Sem condenação, uma conciliação.  


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cuidado, frágil!

Casa ocupada - Jardim das delícias - site Revista da Cultura

Testemunho 2 - Elizabeth Loftus